31 de março de 2016

EVENTO OLÍMPICO NO RIO ENTRE EM CLIMA DE TEMOR. ENTENDA O MOTIVO.

A utilização descompromissada e indevida de uma mera foto ilustrativa que usamos em nosso Blog, para reforçar uma postagem totalmente voltada para o fortalecimento de duas causas que temos profundo interesse institucional, que são:
A contratação de novos Guardas e a celebração de parceria entre entre as Guardas do Estado do Rio de Janeiro, não abalou, a estrutura de nossas ações rumo a um processo de unificação e interação em nosso Estado, com relação as Guardas Municipais. 

Estivemos juntos e participamos do nascimento da regulamentação das Guardas neste País, mobilizamos na câmara dos Deputados, no Senado Federal, participamos dos eixos temáticos para a construção da Lei 13022, e de tantos outros momentos, dentro de nosso estado, de nosso município e dentro do País.

Mas isso não é o o nosso foco agora nesta postagem. vejam o  vídeo no final da postagem, e entendam que não há espaço para dolência nas ações.
Os Gestores Públicos precisam fazer valer a prerrogativa do cargo e precisam decidir o mais rápido possível sobre ações que visem o aumento de efetivo na ocasião dos Jogos Olímpicos nesta cidade.

Contratação, parcerias, celebração de convênios, algo precisa ser feito e rápido.

 O que não se pode é após uma semana repleta de episódios de violência,  e depois das declarações do Ministro da Justiça, Eugênio Aragão, sobre a impossibilidade da União em repassar as verbas, para o programa de Reforço no Patrulhamento nas Ruas, o RAS, (uma gratificação que o estado paga aos PMs para que eles trabalhem durante a folga),  é continuar acreditando que o efetivo a ser empregado nos Jogos Olímpicos visando controlar a área urbana e promover  a segurança de proximidade, não seja um desafio  que agora virou um grande problema que precisa de solução.
Voltamos a dizer:
Ou realizar a ultima etapa do ultimo concurso, ou por em prática o projeto Limítrofe,  ou desencadear as duas ações. algo precisa ser feito.
há uma grande possibilidade das duas ações caminharem paralelas, e atenderem a necessidade latente de efetivo de profissionais de segurança para atuarem nas demandas que permeiam as realizações jogos olímpicos e paralímpicos 2016.

assista o vídeo abaixo e atente para as palavras:
Segurança na cidade, jogos olímpicos, diminuição de efetivo, falta de verba e 50 ou 30 servidores deixam de trabalhar por dia por falta de pagamento.