7 de janeiro de 2016

TEMOS TUDO , SÓ PRECISAMOS OUVIR UNS AOS OUTROS E TRABALHAR JUNTOS DE VERDADE SEM SE PREOCUPAR COM AS LUZES.


Qual será o verdadeiro destino de nossas Guardas Municipais no Brasil?








FONTE da imagem: Portal das Guardas



Estamos muito próximos de ver o término do prazo para a adequação ou para o início da adequação da Lei 13022, que versa sobre a situação das Guardas Municipais no Pais.

Muito se falou até agora, mas de efetividade em ações, nós temos de concreto mesmo, são as ações feitas pelos Prefeitos que  foram extremamente simpáticos a Lei, pois também enxergaram um retorno imenso com a melhora da condição de trabalho dado as Guardas através da   Lei 13022, chamada de estatuto geral das Guardas Municipais.

Os mais de 100 mil profissionais da categoria, estão esperando um posicionamento oficial do Conselho Nacional das Guardas Municipais ou de uma outra entidade que esclareça verdadeiramente a todos, qual o caminho que será tomado, caso algum Prefeito ignore a Lei Federal 13022, e não crie uma lei municipal para que a guarda existente no município se adeque a Lei que regulamenta as Guardas em nosso Pais.

E´preciso agir antes do acontecimento do problema, e não há mais espaço para estratégias antigas que deram muito certo no passado, hoje precisamos de ações mais estratégicas, precisamos de estadismo, e  tecnicidade. 

O objetivo precisa ser alcançado com trabalho de equipe, precisamos das pessoas nos lugares certos e com suas potencialidades a todo vapor. é chegada a hora do projetista, do articulador, do mobilizador, do estrategista, do orador, do agregador, e de todos aqueles que realmente podemos confiar uma especialidade que será desenvolvida.

A guarda que estamos buscando remontar e conduzir, não será para nós, ela será para os filhos da sociedade, por isso não há mais tempo de buscarmos a titularidade de quem fez ou quem irá fazer. Nós precisamos é fazer, fazer e fazer!

Cada Estado PRECISA se reunir e afinar o seu discurso internamente, buscando evidenciar suas dificuldades a enfrentar, pois suas conquistas, não são mais problemas, por isso são conquistas. vejo a necessidade de um encontro dos estados, de forma direta e objetiva, através de comissões de representantes para tratarmos de uma postura única frente a um comportamento diferente  que seja adotado pelos poderes executivos municipais, do que está previsto na Lei que tanto lutamos e discutimos por anos, para que fosse criada e aprovada .