20 de março de 2015

GUARDA MUNICIPAL TEM PAPEL PREPONDERANTE NO IMPASSE DA GREVE DOS GARIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

Enquanto os Garis fazem passeata,
não aceitam acordo do Ministério Público do Trabalho que sugeriu às duas partes um aumento de 8% para os trabalhadores, a manutenção do vale-refeição em R$ 20 e o auxílio-funeral de até R$ 800. O impasse continua e a COMLURB paga diária de 100 reais para pessoas que simplesmente apresentem a carteira de identidade e estejam dispostas a enfrentar a jornada de trabalho de um gari.

As inscrições acontecem na sede da Guarda Municipal do Rio de Janeiro, onde desde o início da greve o numero de pessoas só vem aumentando,
para poder se inscrever e garantir um renda. Só que com isso cresce também o numero de problemas ao redor da sede da Instituição e no seu interior, onde pelo ou menos 04 pessoas saíram presas por estarem com mandado de prisão expedido pela justiça, onde também pela madrugada as pessoas tem feito suas necessidades fisiológicas nos logradouros e vem deixando enorme quantidade de lixo aos arredores da Instituição.

Percebemos a preocupação de alguns servidores com a segurança, pois os pagamentos são feitos no interior da Instituição, onde há também uma agencia bancaria. A entrada de diversas pessoas sem um critério estabelecido de escolha, aumenta ainda mais o temor dos Servidores.

Ainda sem definição as negociações, o Sindicato começa a recuar, pois começou com uma proposta de 40% de aumento e hoje já admite que mesmo depois de ter caído para 15%, pode ainda haver um meio termo.

Enquanto nada se define, a GM Rio se revesa  escoltando os servidores que realizam a coleta de lixo
pela cidade e segue no controle das inscrições para o serviço de coleta voluntária.